Grávida ou tenciona engravidar? Não fume!

“Fumar é atualmente a principal causa evitável de complicações na gravidez”, diz um documento da DGS (Direção Geral de Saúde). O mesmo documento faz referência a um estudo nacional que prevê existirem cerca de 23% de grávidas fumadoras.

Partos pré-termo e morte associada, partos de crianças com baixo peso ao nascer e morte súbita do lactente (1º ano de vida), são algumas das principais consequências do tabaco na gravidez. Para além disso, a criança, cuja mãe fumou durante a gravidez, terá maior probabilidade em sofrer de infeções respiratórias, otites, asma, entre outras doenças.

O período da gravidez é aquele em que, a mulher, mais está disposta a deixar de fumar. Está comprovado que o stresse, que a grávida receia em passar na abstinência, é facilmente ultrapassado por todos os benefícios em deixar de fumar. Diz a DGS que “…parar de fumar é sempre benéfico em qualquer momento da gravidez, mesmo nas últimas semanas antes do parto.” A exposição ao fumo, mesmo que não o seu, também é prejudicial.

Parar de fumar, com ajuda especializada, diminui a probabilidade de recaída. Deixar de fumar terá sempre algum senão: sofrer de ansiedade ao deixar de fumar ou sofrer de complicações a curto ou médio prazo, quer para a mulher quer para o filho(a). 

Reduzir o número de cigarros não elimina os riscos mencionados. A solução passa mesmo por deixar completamente de fumar. Atenção que o uso de medicamentos de apoio à cessação tabágica não estão recomendados na gravidez ou no período de aleitamento.

Não esquecer que, parar de fumar, também beneficia a mulher. “As mulheres que pararam definitivamente de fumar antes dos 40 anos reduziram o excesso de risco de morte por doenças associadas ao tabaco em cerca de 90%, as que pararam antes dos 30 reduziram esse excesso de risco em cerca de 97%.”

Contacte a linha de saúde 24 (808 24 24 24) ou agende consulta com o seu médico de família.

Consulte aqui algumas dicas para deixar de fumar.

Pela sua saúde e pela do seu(sua) filho(a).

 

Fonte: DGS

Fonte: DGS

Deixe uma resposta