Blog com informação médica confiável para uma comunidade mais saudável e consciente. Saber Mais

Posso ajudar a manter-se atualizado sobre a saúde.

Receba gratuitamente dicas e conselhos de um médico de família

Será que os antibióticos são a cura para todos os males?

No quotidiano médico, somos deparados frequentemente com a afirmação "Dr., isto só lá vai com antibiótico" durante as consultas. Essa percepção de que os antibióticos são a solução milagrosa e essencial para todas as situações médicas precisa ser desmistificado. Saiba mais sobre esse tema neste artigo.
Uso de antibióticos é milagroso

A convicção de que os antibióticos são a cura para todos os males, não apenas pode influenciar indevidamente o diagnóstico médico, como também comprometer a decisão terapêutica, resultando em potenciais danos para o doente. É crucial destacar que o papel do médico é gerir a situação clínica com discernimento, enquanto a ideia enraizada de que os antibióticos são a resolução para todos os males precisa ser desmistificado. Muitas vezes, a melhoria após o uso de antibióticos ocorre em um contexto onde a recuperação teria ocorrido igualmente sem o seu emprego – uma realidade desconhecida por muitos.

Para a grande maioria das infecções respiratórias simples, como tosse, expectoração, congestão nasal e dor de garganta, a causa é viral e não requer antibióticos, mas sim um tratamento voltado para alívio dos sintomas e algumas medidas preventivas para evitar a sua progressão. Alguns quadros virais podem persistir por 10 a 14 dias, com a tosse a ser um sintoma duradouro e que frequentemente causa mais preocupação. No entanto, a tosse é um mecanismo de defesa que auxilia na eliminação do agente causador da infecção, e os xaropes para tosse têm pouco ou nenhum efeito nesse processo.

Certamente, há situações em que o uso de antibióticos é necessário, e cabe ao médico fazer essa avaliação. Uma reavaliação de quadros víricos persistentes pode ajudar a evitar o uso excessivo e desnecessário de antibióticos, prevenindo o desenvolvimento da resistência bacteriana e das consequências negativas associadas à sua utilização. Frequentemente, instruo os doente ao dizer: “Os antibióticos destroem não apenas as bactérias más, mas também as boas”.

Se não moderarmos o uso de antibióticos, corremos o risco de comprometer a sua eficácia para as futuras gerações, colocando em perigo a capacidade de tratamento dos nossos filhos e netos perante infecções até mesmo simples.

Conheça agora as consequências do (ab)uso de anti-inflamatórios.

A informação constante neste blogue deve, sempre que necessário, ser abordada com o seu médico e está sujeita a atualizações a que os leitores devem estar atentos.

PARTILHAR

Posso ajudar a manter-se atualizado sobre a saúde.

Receba gratuitamente dicas e conselhos de um médico de família

Navegação

Scroll to Top