Atenção ao (ab)uso dos anti-inflamatórios!

Os anti-inflamatórios (ex: ibuprofeno, diclofenac, naproxeno, etc) são frequentemente utilizados para controlar a dor, seja ela recente (aguda) ou de longa data (crónica). O uso prolongado destes medicamentos deve ser evitado, exceto algumas situações selecionadas pelo médico. São vários os efeitos secundários, alguns deles graves. Tomar estes medicamentos dia sim dia não é um começo para passar a toma-los diariamente. Se tal estiver a acontecer consigo, fale com o seu médico uma vez que poderá necessitar de um controlo da dor com outros medicamentos mais adequados.

Quando devem ser tomados?

Para a dor, preferir em primeiro lugar o paracetamol. Se não resultar e se não estiver contraindicado, poderá tomar um anti-inflamatório (ex: ibuprofeno ou naproxeno) em dose baixa e num curto espaço de tempo (2 a 4 semanas).

Se não melhorar, aconselhe-se junto do seu médico quanto ao melhor medicamento a tomar.

É sempre necessário associar um “protetor do estômago”?

Não. Aconselha-se o uso de protetores gástricos (ex: omeprazol) aos doentes com 65 ou mais anos, pessoas com história de úlcera do estômago ou duodeno ou história de queixas na toma de anti-inflamatórios e a quem toma aspirina (ácido acetilsalicílico), anticoagulantes (ex: varfarina, sintrom, etc) ou corticoides.

Principais efeitos secundários.

  • Dores no estômago e sintomas de refluxo (azia, ardor no peito, etc);
  • Úlceras no estômago e duodeno;
  • Hemorragia intestinal;
  • Problemas nos rins e fígado;
  • Aumento da pressão arterial.

Atenção a quem toma aspirina ou semelhantes (ácido acetilsalicílico)!

A aspirina também é um anti-inflamatório não esteroide, pelo que ao tomar um segundo estará a aumentar e potenciar os seus efeitos secundários! Aconselhe-se junto do seu médico sobre as medidas a tomar.

“Doem-me as costas. Será pneumonia?”

O receio de que a dor nas costas ou “dor nos pulmões” seja uma pneumonia é bastante frequente. Já lhe passou isto pela cabeça? Veja a resposta.

O que é uma pneumonia?

Pneumonia é uma infeção dos pulmões, mais precisamente nos pequenos “sacos de ar” designados alvéolos e no tecido que o rodeia. Pode ser provocada por vírus, bactérias ou fungos. Existem as chamadas pneumonias adquiridas na comunidade e as adquiridas em locais de cuidados de saúde (ex: hospitais).

Porque é que a pneumonia dá dor? 

Os pulmões não doem já que não possuem inervação sensitiva. Na pneumonia, o local infetado pode afetar a pleura parietal (uma membrana abaixo das costelas que envolve a pleura visceral que por sua vez envolve o pulmão) que quando inflamada causa dor com os movimentos torácicos (respiração, tosse, soluço, pressão local…). 

Quando suspeitar de pneumonia e o que fazer?

A pneumonia pode apresentar-se de formas diferentes sendo que o sintoma mais frequente é a tosse com expetoração. Pode acompanhar-se de arrepios de frio, dores no peito, febre e falta de ar. Se apresentar estes sintomas deve recorrer a uma consulta médica a fim de confirmar ou excluir pneumonia. A radiografia torácica não é obrigatória sendo que depende de cada caso. 

Uma pneumonia põe a vida em risco?

Pneumonia não é sinónimo de gravidade. A doença pode ser mais perigosa em crianças, idosos e pessoas portadoras de doenças crónicas (diabetes, doença pulmonar obstrutiva crónica, cancro…). Em pessoas previamente saudáveis, a pneumonia trata-se em casa com antibiótico. Em pessoas debilitadas pode ser necessário internamento para tratamento e vigilância. O mais importante é detetar e tratar atempadamente.

Existe alguma vacina contra a pneumonia?

Em Portugal está disponível uma vacina que diminui o risco de contrair pneumonia. Designa-se Prevenar 13, é comparticipada e pode ser adquirida na farmácia. Faz-se apenas uma dose, não sendo necessário repetir. É a mesma vacina que se administra nas crianças conforme o plano nacional de vacinação. Também está disponível outra vacina – Pneumovax 23 – que pode complementar a anterior.

Pneumonia é uma infeção pulmonar, pode afetar qualquer pessoa sendo mais frequente em pessoas com outros problemas de saúde. Apenas dor nas costas não é igual a ter pneumonia já que na maioria das vezes a dor aparece acompanhada de outros sinais ou sintomas (tosse, expetoração, febre, falta de ar).