Insuficiência cardíaca: “Os corações dos mais novos também falham”

Artigo da autoria do autor deste blogue, publicado no Diário de Notícias, que sensibiliza para a existência de Insuficiência Cardíaca

“HISTÓRIAS DE QUEM TRATA E DE QUEM SOFRE DE IC

Aos 65 anos, Almerinda Gonçalves descobriu a insuficiência cardíaca; demorou a aceitar o diagnóstico e o tratamento, mas o m dico de família diz ser uma reação recorrente na sua idade, quando os doentes ainda não esperam estas patologias.”

Artigo na íntegra aqui.

“Dr, devo ter a tiróide”

É muito frequente ouvirmos os doentes a afirmarem “Dr, devo ter a tiróide”

Na verdade, todos temos tiróide, exceto quando nos foi removida por cirurgia (tiroidectomia). É habitual associar-se o aumento de peso a problemas de tiróide. “Estou a engordar muito, deve ser da tiróide”. Há vários motivos para o aumento de peso e o principal não se deve à tiróide mas sim aos hábitos de vida desadequados. Para além disso, à medida que vamos envelhecendo, o metabolismo torna-se mais “lento”, sendo maior a tendência para o aumento de peso. Se não formos adequando a nossa alimentação e exercício físico ao nosso estilo de vida, é expectável que aumentamos de peso. É como uma balança onde temos de um lado o que comemos e do outro o que gastamos. Se ingerirmos mais calorias do que gastamos, espera-se que aumentamos de peso progressivamente.

Quanto à patologia da tiróide, temos duas formas principais: hipotiroidismo e hipertiroidismo. Hipo vem de pouco e hiper de muito, logo hipotiroidismo significa que a tiróide funciona pouco e hipertirodismo que a tiróide funciona demais. A forma mais frequente é o hipotiroidismo, sendo mais prevalente nas mulheres. Neste caso, o aumento de peso é efetivamente uma das consequências, mas não a única. Também provova alterações do humor (estado mais depressivo), enfraquecimento do cabelo e das unhas, entre outros. No período da menopausa também podem ocorrer estas alterações, daí que as mulheres também confundam com o hipotiroidismo.

Não se recomenda rastreio à patologia da tiróide. Deve ser avaliar caso a caso, sendo poucas as situações em que é necessário realizar análises ou ecografia à tiroide.

Aconselhe-se junto do seu médico de família.